Henrique Garcia
por Henrique Garcia em 03 Abril 2018

Saiba como a volatilidade de uma ação pode gerar alpha

Em tempos de queda da taxa básica de juros, profissionais do mercado financeiro, certamente propõem alternativas para melhorar a rentabilidade das carteiras, entre elas, fundos multimercados, títulos de renda fixa privados e ações.

Entre os nossos clientes, profissionais do setor, existe uma certa dificuldade na demonstração de renda variável aos investidores, pois estão muito acomodados com os ganhos de renda fixa.

De modo geral, sabemos que ainda vigora no país muito receio ou um certo “tabu” por parte dos investidores em relação aos riscos do mercado acionário. O problema é que muitas pessoas não sabem como esses riscos podem ser controlados ou atenuados.

Nesse sentido, mostrar a volatilidade dos ativos isoladamente não funciona. O ideal é explicar que as ações, embora apresentem maior volatilidade, podem ter esse efeito diluído quando avaliado na composição total da carteira e que esses papéis são capazes de acrescentar alpha, um ganho acima do indexador da carteira no horizonte de médio a longo prazo. Por exemplo, acima do CDI.

Veja no exemplo abaixo:

Nesta primeira situação, o investidor tem uma carteira formada 100% por títulos de fundos de renda fixa.

Entre 30/12/2016 e 23/03/2018, esse portfólio rendeu 12,2% ou 105% do CDI, apresentando uma volatilidade de 0,14, segundo o gráfico abaixo.

Saiba como a volatilidade de uma ação pode gerar alpha

Caso o investidor tivesse uma carteira aplicada 90% em renda fixa e 10% em ações, o resultado teria sido diferente.

No mesmo período entre 30/12/2016 e 23/03/2018, o retorno seria de 15,07%, com uma volatilidade de 2,18.

Saiba como a volatilidade de uma ação pode gerar alpha

Ou seja, a estratégia de colocar algumas ações no portfólio atende ao objetivo de alcançar uma rentabilidade maior, no caso de 130% do CDI, com uma volatilidade diluída.

 

Como um simulador de investimentos pode ajudar na demonstração de resultado?

Como vimos, simular o impacto das ações na carteira de um cliente e demonstrar a melhora da performance e a relação risco/retorno é um método eficaz. Fica mais claro e fácil do que sugerir investimentos em ações, fundos de ações ou ativos de maior volatilidade isoladamente.

Com o uso de um simulador de carteiras, as recomendações de novas aplicações tornam-se ágeis e interativas, pois você consegue apresentar informações consistentes, gráficos e relatórios durante a reunião com seus clientes.

Postado por Henrique Garcia Abril 3, 2018
Henrique Garcia