Com a queda da taxa básica de juros, a Selic, os fundos multimercados têm se destacado entre as alternativas escolhidas para diversificação das carteiras de investimentos.

Um investimento mais complexo

No dia a dia dos investidores, como você, sabemos que comparar fundos entre si para selecionar o melhor não é uma tarefa fácil. No segmento dos multimercados, o desafio é ainda maior. Isso porque existem muitos tipos de estratégias de alocação que são adotadas pelos gestores.

Existem os fundos macro, que mesclam diversos ativos do mercado brasileiro ou internacional, baseando suas operações em cenários macroeconômicos de médio e longo prazos. Há também as categorias de multimercados, chamadas trading, long short, juros e moedas, investimentos no exterior e até a categoria livre, que não possui compromisso de concentração em nenhuma estratégia específica.

Além disso, os multimercados admitem alavancagem, ou seja, alguns deles realizam operações com recursos superiores ao próprio patrimônio. Normalmente, são utilizados derivativos com o objetivo de aumentar o potencial de ganho das carteiras – por outro lado, o risco aumenta consideravelmente.

Mas, você sabe escolher fundos multimercados?

Primeiramente, vemos que um erro frequente é quando investidores simplesmente procuram aqueles fundos que estão rendendo mais. Muitas pessoas ainda são atraídas por aqueles “produtos do momento”, indicados pelos “amigos” ou que são divulgados pela mídia.

Para escolher fundos multimercados, o caminho ideal é comparar rentabilidades e riscos, mas entre os produtos de uma mesma categoria. Por exemplo, fundos com estratégia macro devem ser avaliados entre si. O mesmo deve ser feito no grupo de fundos long short e assim por diante. Quando falamos de risco, deve-se ter em mente que há duas formas de avaliá-los. A primeira, e mais comumente analisada, é a volatilidade (variação da rentabilidade ou da cota do fundo em determinado período). E a outra, talvez a mais importante, é a qualidade dos ativos e a possibilidade de perda permanente quando, ou por um stress de mercado ou por um problema específico do ativo investido, ele perde o seu valor integral e, nos fundos alavancados, perdem além do valor investido.

Para analisar este último e talvez, mais importante risco, é necessário saber qual a composição da carteira do fundo, em outras palavras, em que ele está investindo.

Ou seja, analisar esses fundos e tomar decisões depende de pesquisas e análises consistentes. E hoje a tecnologia é uma forte aliada.

Novo paradigma

Com a evolução da conectividade, você já percebeu como a nossa relação de consumo mudou? Por exemplo, antes de comprarmos um carro, uma TV ou qualquer outro produto, pesquisamos e comparamos marcas, preços e aspectos técnicos usando o smartphone. Desse modo, achamos os produtos que queremos e que tenham a melhor relação custo-benefício.

A partir de agora, no mundo dos investimentos, um movimento semelhante ganha força. Os investidores estão usando cada vez mais ferramentas on-line para fazer simulações de aplicações e comparações entre fundos e outros produtos financeiros. E é exatamente isso que os investidores precisam fazer na hora de escolher um fundo multimercado ou qualquer outro tipo de investimento. Pesquisar de forma profunda os produtos, gestores e distribuidores fará com que você encontre um investimento adequado para seus objetivos. 

Mas sua pesquisa não para por aí. Após esse levantamento, sugerimos que você fale com um especialista em investimentos e que tenha conhecimento em fundos multimercados. O suporte de um agente ou consultor de investimentos é essencial nessa hora.

Esse profissional especializado, além de também contar com ferramentas para fazer comparações e análises entre fundos e outros ativos financeiros, possui conhecimento específico sobre cada gestor e suas dinâmicas de alocação. O consultor te ajudará a descobrir e a analisar a composição da carteira dos fundos, bem como avaliar se eles são adequados para sua carteira

Após esse processo de pesquisa e informações necessárias, você certamente estará mais preparado para investir  em fundos multimercados alinhados aos seus objetivos e à sua estratégia de diversificação.

Continue acompanhando o blog da SmartBrain e mantenha-se informado sobre o setor de investimentos.

 

Você pode gostar de ler também:

Na queda do juro, aumenta a procura por títulos privados como as debêntures

ETFs são alternativas práticas para diversificação, mas exigem análise