Daniela Rocha
por Daniela Rocha em 23 Agosto 2018

Não coloque todos os ovos na mesma cesta

“Não colocar todos os ovos na mesma cesta”, essa é a regra número 1 da área de investimentos que você já ouviu falar inúmeras vezes.
A diversificação de investimentos é uma forma inteligente para diluir a exposição ao risco e aproveitar as oportunidades de ganhos com variados tipos de produtos financeiros. A partir desta estratégia, quando o desempenho de uma aplicação for negativo, os outros ativos podem compensar e, na média, se tem mais estabilidade no conjunto dos investimentos.

A teoria é clara, mas poucos conseguem ver na prática como ela funciona.  A diversificação de investimentos depende de planejamento, não se trata apenas de comprar produtos diferentes. Montar uma carteira adequada a você exige uma série de análises e escolhas.

Primeiro passo para montar uma carteira diversificada

É você conhecer o seu perfil de investidorqual é a sua fase de vida, recursos disponíveis, objetivos de curto, médio e longo prazos, necessidade de liquidez e grau de tolerância ao risco.

Depois, você precisa pensar em um plano de alocação de ativos, que é a distribuição do seu dinheiro nas grandes categorias de investimentos, por exemplo, X% em renda fixa, Y% em renda variável, Z% em fundos imobiliários e W% em moedas estrangeiras. E por fim escolher os ativos ou produtos financeiros que vai investir.

Todo esse processo não é simples. Por esse motivo, o suporte de um assessor ou consultor de investimentos é fundamental. Mas como fazer isso e saber se a carteira sugerida está bem diversificada e de acordo com as suas expectativas de variação?

Teste prático

Com a tecnologia, tudo fica mais fácil e hoje você já pode usar um Simulador de Investimentos para ver como a carteira sugerida para você teria se comportado no passado. Essa ferramenta já está disponível gratuitamente no mercado, mas você pode pedir para seu assessor te ajudar com isso também.

Da mesma forma que para tirar carteira de motorista, hoje é preciso fazer aulas em um simulador de direção antes de conduzir o carro na rua, o simulador de investimentos permite que você experimente diversas possibilidades de diversificação de carteiras.

Ao utilizar um simulador, você poderá testar na prática a diversificação da carteira, selecionando os produtos que quiser – ações, fundos de investimentos, títulos de renda fixa privados, títulos do Tesouro e fundos imobiliários e, desse modo, verificará a sua rentabilidade e volatilidade em diversas janelas de tempo.
A ideia é montar diversas carteiras usando todos os tipos de investimentos e produtos do mercado e ver exatamente, conforme as mudanças no cenário econômico ocorreram, como elas afetaram variação de preços de cada aplicação e como ele impacta a sua carteira.

Então, no simulador, você pode analisar os ativos individualmente, assim como, verificar se o seu portfólio segue uma relação entre risco e retorno confortável para você. Neste tipo de plataforma você pode ainda, comparar a performance da carteira com os principais indexadores do mercado como CDI, Ibovespa, dólar e IPCA.

A rentabilidade passada não representa garantia de ganho no futuro, mas o simulador é uma ferramenta que permite você fazer uma análise da diversificação de uma carteira e estudar as possibilidades de alocação existentes. Além disso ela ajudará você a ver se o seu perfil de investidor está adequado e coerente com o retorno e as oscilações que sua carteira teria sofrido para alcançar aquele resultado.

Postado por Daniela Rocha Agosto 23, 2018
Daniela Rocha