Daniela Rocha
por Daniela Rocha em 26 Julho 2018

Ações: você tem estômago para investir?

 

Você tem estômago para investir em ações? Tem realmente disposição para encarar as variações de preços?

O perfil de investidor é um negócio sério

Antes de partir para o mercado de ações, conhecer o seu perfil de investidor é essencial. Para isso, você deve fazer o seu suitability - questionário que é aplicado pelos bancos e corretoras para conhecerem seus objetivos e avaliarem qual é o seu grau de tolerância ao risco - de forma séria, isto é, respondendo as questões com toda a sinceridade e pensando como irá reagir diante de determinadas situações. Como o investimento em ações possui maior volatilidade, você precisa saber exatamente até que patamar consegue ficar confortável.

Porém, não é só o Suitability que te ajuda nesta avaliação. O ideal é que você utilize também um simulador de investimentos. Esta é uma poderosa ferramenta para quem pretende se familiarizar com o universo dos investimentos em ações.

Simulador - um teste real

Com o uso de um simulador, você conseguirá montar carteiras de ações e verificar como elas teriam oscilado e quanto teriam de rentabilidade em diversas janelas de tempo. Fazer essas pesquisas nesta ferramenta certamente reforçará seu autoconhecimento como investidor e o ajudará na escolha de melhores estratégias.

De fato, o Ibovespa é o mais relevante indicador, que reflete o comportamento do conjunto das ações mais negociadas na bolsa, porém, os investidores podem seguir variadas estratégias, isto é, optar por inúmeras combinações de ações. No mercado acionário é possível fazer escolhas que vão desde as relativamente conservadoras ou defensivas até mais agressivas. Por exemplo, um portfólio composto por ações de companhias que têm maior previsibilidade de geração de caixa e são boas pagadoras de dividendos é mais conservador do que uma carteira com ações de commodities, que variam muito em função do preço desses produtos no mercado internacional e não só em função de sua performance operacional de cada companhia.

Ao usar o simulador você conseguirá saber a sua reação em períodos de oscilação no mercado. Com essa ferramenta, é possível avaliar o seu nível de conforto diante, por exemplo, de uma queda expressiva nas cotações. Ao compreender isso e ver quanto você poderia ter de retorno, poderá evitar atitudes precipitadas no futuro, não saindo da posição em momentos inadequados.

O simulador é uma ferramenta que mede sua sensibilidade ao risco de forma numérica. Por exemplo, imagine que montou uma carteira com diversas ações no total de R$ 10 mil e que, em uma fase de turbulência, esta carteira tenha caído para o patamar de R$ 7,2 mil. Você manteria esse investimento ou não? Talvez vendo a magnitude da queda você resolvesse zerar sua posição, mas com o uso da ferramenta se você mudasse o período para uns seis meses adiante e visse que se não tivesse mexido teria o valor de 11 mil reais, você teria zerado sua posição?

É isso, o simulador faz você sentir as flutuações dos preços das ações “na pele”.

Portanto, ter estômago para investir em ações depende também de você ser realmente bem assessorado para isso. Com o suporte de um assessor de investimentos e o uso de ferramentas adequadas, você aumenta o seu autoconhecimento como investidor e consegue atingir seus objetivos de forma muito mais alinhada com seu nível de tolerância ao risco.

Gostou? Continue acompanhando o blog da SmartBrain!

Você pode se interessar também por:

Saiba como simular uma carteira de investimentos em apenas 5 passos

Postado por Daniela Rocha Julho 26, 2018
Daniela Rocha