Daniela Rocha
por Daniela Rocha em 10 Dezembro 2019

O Brasil foi chamado de “país da renda fixa”. Por muito tempo, a taxa básica de juros ficou em níveis muito altos. Há pouco mais de três anos, era de 14,24%. Para se ter uma ideia, em meados dos anos 2000, ficou em torno de 19% e, um pouco antes, em 1999, chegou a 45%!

Daniela Rocha
por Daniela Rocha
em 18 Fevereiro 2019

A SmartBrain, fintech que oferece soluções para investidores e profissionais de investimentos, foi fonte de reportagem do jornal DCI sobre títulos de renda fixa imobiliários. A matéria, com a manchete “Estoque de LCI pode cair até um terço em 2019 com nova regra de lastros”, foi publicada nesta segunda-feira (18/02).

Henrique Garcia
por Henrique Garcia
em 14 Fevereiro 2019

Nos últimos tempos, os COEs – Certificados de Operações Estruturadas, invadiram as prateleiras de bancos e corretoras. São muitas as campanhas das instituições financeiras divulgando esses produtos nos sites, redes sociais, jornais, revistas e até na TV.

Daniela Rocha
por Daniela Rocha
em 17 Janeiro 2019

Como destacamos em um post recente, a SmartBrain é uma fintech que atua de forma independente, gerando informações sobre investimentos completas e variadas. A empresa não vende nem recomenda produtos financeiros, mas sim, soluções para investidores e profissionais do setor. Entre elas, está o sistema smartBonds, uma calculadora online de títulos de renda fixa.

O smartBonds calcula e precifica tanto os títulos do Tesouro quanto os títulos de crédito mais complexos como os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) e debêntures.

Henrique Garcia
por Henrique Garcia
em 31 Julho 2018

“Como um título do Tesouro pode ter três preços diferentes?” Temos visto aqui na SmartBrain com muitos de nossos clientes que esta é uma das dúvidas mais frequentes.

Ana Carolina Zogno Silva
por Ana Carolina Zogno Silva
em 24 Julho 2018

Você assessor de investimentos já deve ter se deparado com clientes que costumam perguntar: “Por que recebi um valor da minha aplicação de renda fixa?” ou “Consultei o meu saldo e vi que entrou um valor maior do que estava previsto, por que isso aconteceu?”

Cassio Bariani CFP®
por Cassio Bariani CFP®
em 11 Julho 2018

Muitos investidores que costumam acompanhar no dia a dia os seus investimentos em renda fixa, têm levado um susto. Esse pode ter sido justamente o seu caso.

Henrique Garcia
por Henrique Garcia
em 05 Julho 2018

Na hora de aplicar em renda fixa, muitos investidores ficam em dúvida sobre qual caminho seguir: “Devo montar a minha própria carteira com títulos disponíveis no mercado ou investir em um fundo da mesma categoria?”

Ana Carolina Zogno Silva
por Ana Carolina Zogno Silva
em 29 Março 2018

Uma dificuldade ainda comum entre os  investidores é entender por qual motivo os preços dos títulos de renda fixa oscilam: “Se é modalidade de renda fixa, por que os preços dos papéis flutuam no mercado?”

Henrique Garcia
por Henrique Garcia
em 27 Fevereiro 2018

“E agora? Eu devo escolher investimentos pré ou pós-fixados?” Quando se trata de renda fixa, essa é a dúvida mais comum entre os investidores. Certamente, você já deve ter feito essa pergunta várias vezes. Se ainda não, provavelmente fará esse questionamento por causa das eleições, do novo patamar de juros no país e das incertezas em relação à reforma da Previdência e outras medidas de ajuste fiscal.

Cassio Bariani CFP®
por Cassio Bariani CFP®
em 23 Novembro 2017

Com a queda da taxa Selic, os títulos de crédito privados tendem a pagar mais, distanciando-se da remuneração dos títulos públicos. Desse modo, quem busca uma rentabilidade maior na parcela de renda fixa de sua carteira de investimentos, tem nas debêntures alternativas.

por Marta Isabel Genovese de Oliveira
em 26 Outubro 2017

No post anterior, vimos que o Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) é uma aplicação que requer alguns cuidados. Esse título é uma opção de diversificação de portfólios, mas sempre deve ser feita uma análise prévia e criteriosa em relação aos riscos.

Henrique Garcia
por Henrique Garcia
em 19 Outubro 2017

Há algum tempo, os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) têm ganhado espaço nas carteiras dos investidores. Por serem isentos de imposto de renda para pessoa física e oferecerem retornos elevados, esses títulos são a nova tendência em renda fixa.

Henrique Garcia
por Henrique Garcia
em 28 Setembro 2017

Uma das estratégias para a gestão eficiente de investimentos é fazer o acompanhamento das precificações diárias dos títulos de renda fixa. Esse controle evita distorções e pode ser uma poderosa ferramenta de negociação nos casos de resgates antecipados de títulos. Sobretudo no caso dos family offices e grandes investidores, que administram valores altos, pequenas distorções fazem a diferença.